• Thiago Lugão

Falta da cultura de gestão de riscos no projeto


Dando continuidade à série de artigos sobre Gestão de Riscos em Projetos (GRP), hoje iremos abordar o décimo quarto dos dezesseis tópicos sobre o tema “Falta da cultura de gestão de riscos no projeto”.


Então, vamos lá:


Geralmente o que presenciamos nos projetos aqui no Brasil são empresas sem cultura de gestão de riscos conduzindo projetos de companhias que pretendem introduzir os processos de gestão de riscos em seus empreendimentos. Ou seja, temos do lado da contratante, uma energia sendo gasta de maneira TOP-DOWN, com uma estrutura de gestão de riscos sendo formada, fornecendo políticas, procedimentos e um arranjo organizacional que sustente a gestão de riscos em todos os níveis organizacionais. Do outro lado, temos a contratada que possui baixa maturidade em gestão de projetos, tentando levar a todo custo os processos de gestão de riscos, pois é um item contratual. Esta última não possui nada estruturado para que a estrutura de gerenciamento de projetos da empresa incorpore a gestão de riscos na metodologia utilizada. Apenas imagina que contratando um especialista em gestão de riscos irá suprir esta deficiência crônica, que deveria ser resolvida em nível de governança.


Para implementarmos uma metodologia de forma eficaz, é necessário que seja estruturada desde os níveis mais altos da empresa. Tem que ter o apoio da direção e se fundamentar em diretrizes, políticas e procedimentos, no intuito de gerar uma cultura dentro da organização. Um exemplo simples: Se os pais tem a cultura da leitura, lendo livros e incentivando os filhos a lerem, com toda certeza os filhos terão um interesse alto pela leitura e este hábito será transmitido. Como podemos ver, é necessário que os pais leiam e incentivem a leitura.


Se levarmos para um nível organizacional, é necessário que exista uma estrutura de gestão de riscos em um nível estratégico e venha se desdobrando para os menores níveis na organização. Para orientar as organizações em gerenciar seus riscos de forma eficaz por meio da implementação da ABNT NBR 31000, temos a norma 31004. É uma norma ensinando a implementar a gestão de riscos. Esta norma fornece uma metodologia onde podemos comparar a prática atual com a descrita na norma 31000, identifica as necessidades de mudança e da implementação de um plano e auxilia na manutenção de um monitoramento e análise crítica permanente (melhoria contínua).


Portanto, se esperamos realmente colher os frutos de uma gestão de riscos eficaz, é necessário implementarmos uma metodologia que abranja um nível de governança organizacional e, então, se desdobre em um nível de governança de projeto, com processos de gestão de riscos integrado ao restante do gerenciamento do projeto. Enquanto os executivos não entenderem que gestão não se faz apenas com conhecimento técnico e muito mais com disciplinas humanas, teremos empresas sendo geridas de forma cartesiana e retrógrada. O ser humano precisa de diretrizes, incentivos, estímulos e cultura.


Queridos leitores, espero que tenham gostado do assunto de hoje. Meditem no que foi escrito neste artigo. Se gostaram, não deixe de compartilhar e deixar o seu comentário.


Na próxima semana iremos entrar em outro tema dentro das principais causas que impactam o processo de gestão de riscos: Foram identificados muitos riscos e não há capacidade para monitorá-los.


Aguardo vocês, até a próxima e fiquem na paz!


Lugão Consultoria

www.lugaoconsultoria.com.br

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo