Planejar as Respostas aos Riscos


Dando continuidade à série de artigos sobre Gestão de Riscos em Projetos (GRP), hoje iremos abordar o sexto dos oito tópicos sobre o tema “processo de Gestão de Riscos”: Elaborar o plano de respostas aos riscos. Este processo separa o verdadeiro do falso, eficaz do ineficaz. Vocês irão entender.


Então vamos lá:


A etapa de elaborar o plano de resposta aos riscos é um processo de desenvolver alternativas, selecionar estratégias e acordas ações para lidar com os riscos. Neste processo também é necessário designar responsáveis para implementação dos planos e colocar datas para implementação. Temos como principal benefício a identificação de formas apropriadas de abordar os riscos. O objetivo deste processo é minimizar as ameaças e maximizar as oportunidades, seja em termo de impacto ou de probabilidade.


Um plano de repostas eficaz é aquele que está adequado para a relevância dos riscos, é eficaz em termos de custo para atender ao desafio, é realista ao contexto do projeto, está acordado com a equipe, com data e responsável designado. Sempre que for avaliar uma resposta aos riscos, analise se atende a estes requisitos básicos.


Um plano de respostas tem que ser algo tangível. Não podemos ter ações mitigadoras do tipo: aumentar a fiscalização, fazer um diligenciamento mais firme, acompanhar mais de perto os fornecedores. Tem que ser tangível, algo que possa inclusive mensurar. Se a equipe deseja aumentar o diligenciamento de algum equipamento, deve dizer “como”. Ex. designar um especialista em ponte rolante que irá visitar o fornecedor 1 vez por semana e emitir relatório mensal sobre o status de fabricação do equipamento. É algo tangível, mensurável em termos de custo e de atingimento de metas.


Este plano de respostas, que fará parte do registro de riscos, será um documento ativo. Não pode ser aberto apenas nas reuniões de riscos. Como venho abordado nos meus artigos, a gestão de riscos tem que fazer parte do processo de gestão de projetos como um todo. Se existe uma reunião de acompanhamento da obra semanal, este documento tem que ser aberto nesta reunião. Assim como se discute sobre engenharia, construção, qualidade e segurança, o termo riscos tem que fazer parte de todas as reuniões da equipe.


Cabe ao gestor de riscos conseguir engajar a equipe neste processo e conseguir encontrar facilitadores que irão ajudar na manutenção do processo dinâmico.


Lembrando que a responsabilidade de um bom plano de respostas depende de todos, e não apenas do gestor ou facilitador de riscos.


Irei parar por aqui, pois estou quase entrando no tema do próximo artigo, que é colocar em prática este plano que foi idealizado pela equipe.


Queridos leitores, espero que tenham gostado do assunto de hoje. Meditem no que foi escrito neste artigo e deixe a opinião dos senhores nos comentários.


Na próxima semana irei abordar o sétimo tópico do nosso mapa mental de gestão de riscos: Implementar o Plano de Respostas aos Riscos.


Aguardo vocês, até a próxima e fiquem na paz!

Lugão Consultoria

www.lugaoconsultoria.com.br


Featured Posts
Posts em breve
Fique ligado...
Recent Posts
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square